Governo Colombo (PSD) vai contrair novo empréstimo para concluir obras do Pacto por Santa Catarina e para distribuir dinheiro aos municípios

Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina (ALESC) aprovou na semana passada projeto de lei que autoriza o executivo a contrair empréstimo de até R$1,5 bilhão. Recursos serão usados para concluir obras do “Pacto por Santa Catarina” e para segunda etapa do Fundo Estadual de Apoio aos Municípios (Fundam)




Na quarta-feira da última semana, dia 21/06, ALESC, aprovou o Projeto de Lei (PL) 148/2017 de autoria do Poder Executivo, que autoriza o governo estadual a emprestar até R$ 1,5 bilhão para a segunda etapa do Fundo Estadual de Apoio aos Municípios (Fundam) e para a conclusão de obras do programa “Pacto por Santa Catarina”.

Os recursos estão sendo negociados com o BNDES e com o Banco do Brasil. A intenção do governo estadual é utilizar R$ 800 milhões que serão captados junto ao Banco do Brasil para obras em diversas áreas que integram o programa “Pacto por Santa Catarina”, enquanto outros R$ 700 milhões serão captado junto ao BNDES para serem distribuídos às 295 prefeituras catarinenses através do Fundam. Deputado provavelmente farão as indicações para destinação dos recursos da segunda etapa do Fundam.

Deputado questiona contração de empréstimo no “fim do governo”

O deputado Fernando Coruja (PMDB) questionou a decisão do governo de contratar um financiamento no final do mandato do governador Raimundo Colombo (PSD). “Acho um absurdo o governador estar saindo e deixar empréstimo para outro pagar. Vou votar a favor para não dizerem que estou prejudicando os municípios. Mas quero ver esse dinheiro sair. Aliás, duvido que saia”, afirmou o peemedebista.

O deputado ainda alertou para o fato de o empréstimo gerar um pagamento de R$ 800 milhões só em juros pelo Estado, num período de 10 anos. Ele também destacou que os recursos não são para obras novas, mas para concluir ações já iniciadas pelo “Pacto por Santa Catarina”. “O governo deve ter falhado na execução dos projetos dessas obras, já que todo aquele empréstimo feito no Pacto não foi suficiente”, criticou.

Já o líder da bancada do PT, deputado Dirceu Dresch afirmou que falta clareza ao projeto, ao não especificar exatamente onde serão feitos os investimentos. “Que todos os municípios possam receber esses recursos, que não haja discriminação político-partidária”, disse.

No final do governo, depois de quatro anos, Colombo (PSD) busca novo empréstimo para concluir o “Pacto por Santa Catarina”

Depois de contrair um empréstimo de R$10 bilhões há quatro anos, o governo busca um ovo acordo para levantar mais R$800 milhões para concluir obras iniciadas pelo programa.

O custo do Pacto por Santa Catarina pesará nas contas do Estado a partir de 2018, último ano do governo Colombo (PSD), quando começam a serem pagas as parcelas do principal financiamento contraído junto ao Banco do Brasil para o programa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *